Radioterapia Legal

Câncer não é sentença de morte
Câncer

Câncer não é sentença de morte

Para algumas pessoas, receber um diagnóstico de câncer é um presságio para o fim. De fato, ainda existe um estigma sobre a doença, o que faz com que as pessoas se assustem. Mas é importante lembrar que a medicina evoluiu – e continua evoluindo – muito. Na década de 1980, por exemplo, o índice de cura girava em torno de 20% a 25%. E hoje podemos dizer com muita tranquilidade que o câncer já é uma doença curável, desde que descoberto precocemente.

O câncer ocorre quando a célula tumoral sofre mutação genética nos genes responsáveis pelo controle da multiplicação celular e há, então, a produção de proteínas que estimulam seu crescimento e sua multiplicação desordenada.

Em seus primórdios o tratamento apresentava muitos efeitos colaterais, e por conta disso, carrega a crença de que é pior que a doença, porque trazia muitos sintomas associados a infecções, diarreia, náuseas e queda de cabelo.

Hoje, o principal fator para aumento das taxas de cura do câncer é o diagnóstico precoce e tratamento personalizado.

Desde cirurgias mais conservadoras, existem drogas mais modernas, com outro conceito de funcionamento, com alvos moleculares específicos ou agindo como potencializadoras do sistema imunológico.

Além disso, hoje contamos com maior acesso à radioterapia, que utiliza radiações ionizantes (raios-x, por exemplo), para destruir as células do tumor ou impedir que elas se multipliquem. A maioria dos pacientes com câncer é tratada com radiações e o resultado costuma ser muito positivo. O tumor pode desaparecer e a doença ficar controlada, ou, até mesmo, curada. Quando não é possível obter a cura, a radioterapia pode contribuir para a melhoria da qualidade de vida.

Por tanto, ao receber um diagnóstico de câncer é importante que o paciente mantenha o equilíbrio e ouça o que o especialista tem a dizer. Por maior que seja o impacto emocional da descoberta, ajuda ter em mente que a evolução do diagnóstico e tratamento adequado fazem toda a diferença nos resultados, potencializando as chances de controle da doença.

Escrito por Radioterapia Legal - 11/01/2023 - 392 Views

Sem comentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *